terça-feira, 15 de dezembro de 2015

Acerola antioxidante

Acerola antioxidante, estimulante do sistema imunitário,tónico instantâneo
Acerola é o fruto de um pequeno arbusto que cresce nas florestas secas da América do Sul, da America Central e da Jamaica. Este pequeno fruto cor de tijolo é muito parecido com a cereja e é igualmente conhecido como " cereja dos Barbados".

Vitamina C natural
A Acerola contém oligoelementos como cálcio, ferro, magnésio e fosforo, vitaminas A, B6, e mais importante ainda, a vitamina C do que uma laranja (uma acerola com 4,5g contém tanta vitamina C como meio quilo de laranjas!) Comparado com o ácido ascórbico cristalino de produção industrial, a vitamina C da acerola está sempre associada a outros cofatores, nomeadamente bioflavonóides, ou vitamina P, cujas propriedades, idênticas, auxiliam as da vitamina C, potenciando-lhe os efeitos.

Tendo as mesmas qualidades que a vitamina C a Acerola é um tónico excelente. Estimula as funções do sistema imunitário e as defesas do organismo. É indicado na fadiga transitória ou presistente, bem como para ajudar a prevenir infecões invernais, como a gripe ou problemas otorrinlaringológicos (rinite, otite, faringite, laringite, traqueite, bronquite, etc).

Uma vez que também facilita a absorção intestinal do ferro, a vitamina C tem um efeito anti-anémico.
Por último, recomenda-se a Acerola como suplemento alimentar também para pessoas que consumam poucos legumes e fruta, ou para fumadores, uma vez que estes apresentam maiores necessidade de vitamina C.

Fonte: Alpen

sábado, 26 de setembro de 2015

Citologia do colo do útero ou teste Papanicolau



Questões frequentes
Cancro do colo do útero e rastreio
E informação sobre a mais recente tecnologia que lhe oferece um teste  melhor

O que é o cancro do colo do útero?
O cancro do colo do útero é um cancro do cérvix, a parte inferior e estreita do útero que faz a ligação com o canal vaginal. É o segundo tipo de cancro com maior incidência nas mulheres a nível mundial. No entanto, o cancro do colo do útero é altamente evitável, em grande parte parte devido aos testes de Papanicolau de rotina. A maioria dos casos de cancro do colo do útero está relacionada com o vírus do papiloma humano (HPV), mas também pode ter origem noutros fatores de risco.

O que é teste de Papanicolau ou citologia cervical?
O teste de Papanicolau ou citologia cervical é um teste de rastreio preventivo que consegue detetar indícios de cancro do colo do útero ou células que possam vir a transformar-se em células cancerígenas no futuro. Foi introduzido há mais de 50 anos e tem sido o fator que mais contribui para a redução global do cancro do colo do útero.

Porque devo efetuar um teste de Papanicolau?
A realização regular de testes de Papanicolau ajuda a prevenir o cancro do colo do útero. Podem ocorrer alterações a nível celular no colo do útero. Podem ocorrer alterações a nível celular sem que tenha quaisquer sintomas ou dor. Caso não sejam tratadas, as mais pequenas alterações celulares podem tornar-se graves com o passar do tempo.

Quem deve efectuar um teste de Papanicolau?
Os testes de Papanicolau devem ser realizados regularmente por todas as mulheres que já tenham iniciado a vida sexual. Mesmo que, neste momento, não seja sexualmente ativa ou tenha deixado de ter menstruações, continua a ter de realizar o teste de Papanicolau regularmente.

Como é feito o teste de Papanicolau?
A pessoa que recolher a amostra, normalmente um médico ou enfermeiro/a, raspa suavemente as células do colo do útero. Mo método tradicional, estas células são espalhadas diretamente numa lâmina de vidro e enviadas para um laboratório para análise microscópica.

O teste de papanicolau pode ainda ser melhorado?
Sim! A recolha do esfregaço pode provocar a constituição de camadas, o aglomeramento ou sobreposição das células de forma irregular, dificultando a interpretação. Além disso, foi demonstrado em estudos que a maioria do material celular pode não ser transferido para a lâmina e pode ser eliminado com o dispositivo de recolha da amostra.

O que diferencia o teste Thinprep Pap?
As células são recolhidas damesma forma do que no teste convencional. No entanto, as células são enxaguadas e colocadas num frasco com uma solução, permitindo que praticamente todas as células sejam capturadas. Depois, este frasco é enviado para um laboratório onde é processado, colocando-se uma fina camada de células na lâmina para análise microscópica. O processo Thin Prep melhora a qualidade da amostra, preparando uma lâmina para análise microscópica. O processo ThinPrep melhora a qualidade da amostra, preparando uma lâmina mais adequada para análise diagnóstica.

Existem evidências de que o teste ThinPrep Pap é mais eficaz?
O teste ThinPrep foi desenvolvido para resolver muitas das falhas associadas ao teste de Papanicolau convencional. Foi comprovado em estudos, a nível mundial, que o teste ThinPrep Pap é mais preciso do que o teste de Papanicolau convencional.

O que acontece se os resultados do meu teste forem anormais?
Um resultado de teste anormal não significa necessariamente algo de grave. Quando detetados precocemente, a maioria dos problemas que provocam um resultado de teste anormal podem ser tratados. São frequentemente provocados por uma inflamação ou infeção no colo do útero ou vagina. Se obtiver resultados de teste anormais, o seu médico pode tratá-la imediatamente com o tratamento que for mais adequado para si. Peça ao médico ou enfermeiro/a para lhe explicar os resultados e os passos seguintes.

Porque devo pedir um teste ThinPrep Pap?
O teste ThinPrep Pap é a primeira melhoria real ao teste de Papanicolau em 50 anos. Oferece um novo nível de confiança na precisão dos seus resultados.


O VPH e o cancro do colo do útero
O que é o VPH, ou vírus do papiloma humano, é um grupo de mais de 100 tipos de vírus que são transmitidos por contacto direto com a pele. A maior das estirpes de VPH desaparece por si mesma. No entanto, algumas estirpes de "alto risco", se forem persistentes, podem provocar cancro do colo do útero, embora seja raro. A melhor forma de efetuar o rastreio do cancro colo do útero é realizar, rotineiramente, o teste de Papanicolau e o teste ao VPH, se recomendado.

Quem pode ser infetado pelo VPH?
Cerca de 80% das mulheres sexualmente ativas contraem, pelo menos, uma estirpe de VPH genital até aos 50 anos de idade. Como o VPH raramente produz sintomas notórios, a maioria das pessoas afetadas pelo VPH nem sabe que o tem.

Quem deve efectuar o teste ao VPH?
Embora se saiba que o VPH de alto risco é o causador da maioria dos casos de cancro do colo do útero, apenas um pequeno número de infeções por VPH origina este tipo de cancro. Na verdade, a maioria das mulheres sexualmente ativas é exposta ao VPH, mas a maior parte destas infeções desaparecerá por si própria. Assim, o teste ao VPH é muitas recomendado juntamente com o teste de Papanicolau se:
Os resultados do seu teste de Papanicolau forem inconclusivos ou ligeiramente anormais
Tiver mais de 30 anos
Neste momento não existe cura para o VPH. Se o seu médico recomendar que faça o teste ao VPH juntamente com o teste de Papanicolau, ambos podem ser realizados a partir da amostra recolhida para o teste ThinPrep Pap. No entanto, para infeções persistentes, o método mais fiável para a deteção precoce é o teste de Papanicolau e o teste ao VPH de rotina, quando recomendado.

Fonte: Hologic

domingo, 21 de junho de 2015

Valeriana


Popularmente utilizada pelas suas propriedades sedativas e relaxantes a Valeriana, Valeriana Officinalis, é atualmente uma das plantas mais consumidas quando o assunto é minimizar problemas de insónia.
Os resultados obtidos, após a realização de vários estudos clínicos, com a valeriana fez com que, hoje em dia, a Comissão Europeia tenha aprovado a utilização desta planta em situações de agitação e insónia causada por problemas nervosos.
Sabe-se que o efeito sedativo, relaxante e indutor do sono pode ser um excelente aliado quando o assunto é ajudar a dormir bem.

 Fonte: Bioforma

Leia também: Melatonina, a hormona do sono

sábado, 20 de junho de 2015

Posições de amamentação

Em que posição devo amamentar?
4 sugestões
Futebol (Football)
Segure as costas e os ombros do bebé na palma da sua mão .Posicione o bebé debaixo do braço, mantendo a orelha, o ombro e anca do bebé em linha reta.
Apoie a mama. Toque os lábios do bebé e uma vez que a boca do bebé esteja completamente aberta, puxe o bebé rapidamente para si. Continue a suportar a mama até o bebé mamar facilmente.

Ao longo do colo (Across the lap)
Deite o bebé em almofadas firmes ao longo do seu colo.
Vire o bebé de frente para si.
Passe a mão ao longo do seu colo, de modo a suportar as costas e os ombros do bebé com a palma da sua mão.
Com a outra mão apoie a sua mama por baixo. Quando a boca do bebé estiver completamente aberta, puxe o bebé rapidamente para a sua mama.

Deitados (Lying down)
Deite-se de lado com uma almofada para apoiar as costas e deite o bebé de modo a que fiquem frente a frente.
Para iniciar, sustente o peso sobre o cotovelo e apoie a sua mama com a mão.
Puxe o bebé para perto e alinhe a boca do bebé com o mamilo. Segure a mama com a mão oposta.

Embalar (Cradling)
Embale o bebé no braço, próximo da mama, com a cabeça do bebé na dobra do seu braço.
Tenha o corpo do bebé à sua frente, barriga com barriga.
Use a mão oposta para apoiar a mama.

Fonte: Gide
Leia também: Aleitamento materno

sexta-feira, 19 de junho de 2015

ESSURE contraceção permanente


É um novo método de contraceção, pode substituir a laqueação das trompas.
É permanente, não é reversível, deve ter a certeza que não quer ter mais filhos.
O sistema Essure é um micro- dispositivo de oclusão das trompas para fins de contraceção permanente.
A colocação deste micro-dispositivo é realizado no serviço do ambulatório hospitalar, sem anestesia, sem cicatrizes e incisões. Não possui qualquer tipo de hormonas.
É um procedimento rápido, leva cerca de 15 minutos a realizar.
Durante este período, deve continuar a usar outro método de contraceção até à próxima consulta de revisão.
O sistema é colocado dentro da porção inicial das trompa através de vagina e cavidade do útero, sempre com visualização de uma micro-câmara (histeroscópio).
O dispositivo fica fixo às trompas e provoca uma resposta benigna de fibrose que leva à oclusão das trompas.
Três meses após a colocação do dispositivo (ESSURE), fará um teste de confirmação (Histerossalpingografia), para confirmar o posicionamento dos implantes e verificar a oclusão das trompas.

Contraindicações:
  • Infeção pélvica ativa ou recente
  • Gravidez ou suspeita de gravidez
  • Cavidade uterina ou trompas com alguma anomalia
  • Sangramento vaginal recente inexplicado
  • Alergia aos meios de contraste, titânio ou níquel
  • Toma atual de corticosteróides
  • Tumor maligno ginecológico suspeito ou conhecido

Possíveis efeitos secundários durante e depois a colocação do micro-dispositivo (ESSURE)
  • Sangramento vaginal
  • Sensação de desmaio
  • Dor pélvica ligeira a moderada

Importante saber:
  • Nem todas as mulheres que se submetem ao procedimento ESSURE conseguem a colocação correta de ambos os implantes.
  • Tal como todos os métodos de contraceção, não deverá ser considerado 100% eficaz.
  • Tem de utilizar outro método de contraceção pelo menos três meses após o procedimento.
  • A remoção dos implantes ESSURE requer cirurgia.

quinta-feira, 18 de junho de 2015

Prevenir e tratar obstipação intestinal

O stress do dia a dia, o estilo de vida sedentário, uma dieta com poucas frutas, legumes e fibras, ou a ingestão inadequada de líquido podem causar alterações na atividade intestinal.
Também o uso excessivo de laxantes para controlar os sintomas, pode ter um efeito contrário a agravar ainda mais o problema.
O movimento intestinal pode torna-se irregular, as idas à casa de banho deixam de ter um ritmo certo, e assim surge a obstipação moderada.
Também conhecida por prisão de ventre, a obstipação caracteriza-se pela dificuldade frequente ou eventual de evacuação das fezes.

Não pode ser considerada uma doença, mas sim um sintoma ou efeito de algo que faz com que a resposta do organismo seja a retenção das fezes por um período maior do que o normal.
Caracteriza-se por ter fezes muito duras, sensação de evacuação incompleta e esforço excessivo.
É mais comum nas mulheres do que nos homens, sobretudo devido a questões hormonais e, no caso de gravidez, pela compressão do útero sobre o intestino. Pode também surgir devido a alterações de fuso horário, dieta em viagens ou como um efeito do uso de alguns medicamentos.

5 dicas na prevenção e tratamento da obstipação
  • Aumente a ingestão de alimentos ricos em fibras (frutas,vegetais,cereais) e líquidos. A dose recomendada de fibras por dia, para manter uma função intestinal normal, é de 25 a 30 gramas.
  • Beba chá ou água quente, porque ajuda a estimular o funcionamento do intestino
  • "Discipline"o intestino, ou seja, tente ir todos os dias, à mesma hora, à casa de banho
  • Não recorra a laxantes, vai agravar o problema
  • Existem alguns produtos no mercado, como os suplementos de fibras naturais, que ajudam a regular o trânsito intestinal. Uma combinação de fibras solúveis (que facilitam o trânsito) com fibras insolúveis (que aumentam o volume das fezes) é o ideal. Contudo, se os sintomas de obstipação persistem por mais de três semanas, deve procurar aconselhamento médico.
Fonte: + Saúde.

quarta-feira, 17 de junho de 2015

Pílula sem estrogénios



Contraceção sem estrogénios
O que deve saber
Adequada para mulheres que  não podem ou não querem utilizar estrogénios.

A pílula sem estrogénios ou contraceção oral só com progestagénio (COP), é um método anticoncetivo que é diferenciado dos contracetivos combinados por não conter estrogénios na sua composição e conter apenas um progestativo.


O efeito contracetivo da pílula sem estrogénios deve-se a:
  • Inibição da ovulação (tal como nas pílulas combinada)
  • Espessamento do muco cervical que impede a entrada dos espermatozoides no útero.
  • Alteração do endométrio não favorecendo a gravidez

A eficácia contracetiva de uma pílula só com progestagénio é similar à da pílula combinada.
A contraceção oral sem estrogénios é um método adequado para as mulheres que apresentam efeitos secundários relacionados com o uso de estrogénios, que têm alguma contraindicação médica para o seu uso e para mulheres que pretendam um método de contraceção sem estrogénios com elevada eficácia contracetiva.

Características principais:
  1. Eficácia a 99%
  2. Toma diária durante 28 dias
  3. Não contém estrogénios na sua composição
  4. Adequada para o puerpério e a amamentação
  5. Adequada para mulheres: fumadoras com mais de 35 anos, mulheres com enxaqueca com e sem aura, obesas, hipertensas, e com diabetes.

Como funciona a pílula sem estrogénios?
O efeito contracetivo da pílula sem estrogénios baseia-se fundamentalmente nas seguintes atividades do progestagénio:
Ao nível do ovário, bloqueando a ovulação
Ao nível do útero, aumentando a espessura e a viscosidade do muco cervical, impedindo assim a passagem dos espermatozoides.

Quando iniciar a pílula sem estrogénios?
Início sem estar a tomar nenhuma contaceção hormonal
Deverá iniciar a toma da sua pílula sem estrogénios no 1º dia da menstruação
Também é possível em qualquer dia do ciclo. Nata situação deve usar um método de barreira (preservativo) durante 7 dias. Se não o fizer e tiver relações sexuais desprotegidas deve usar contaceção de emergência.

Início pós-parto
Não interfere com amamentação e pode ser iniciado nos primeiros 21 dias depois do parto. Se iniciar depois (menos de 6 meses depois do parto) e tiver a amamentar exclusivamente não precisa de outra contraceção adicional. Se não o fizer e tiver relações sexuais desprotegidas deve usar contarceção de emergência.


Mudando de outro contracetivo hormonal combinado (pílula, sistema trandérmico e anel vaginal)
Mundando de outro contracetivo hormonal pílula combinada, adesivo e anel vaginal) pode começar a tomar a pílula sem estrogénios no dia seguir à toma do último comprimido da embalagem da pílula corrente ou no dia de remoção do seu anel vaginal ou adesivo (isto significa que não há um intervalo sem comprimido, sem anel vaginal ou sem adesivo).
Se a embalagem da sua pílula também contém comprimidos inativos, pode começar a tomar a pílula sem estrogénios no dia a seguir à toma do último comprimido ativo, (se não tem a certeza qual deles é, pergunte ao seu médico ou farmacêutico). Se seguir estas instruções, não terá de tomar precauções contracetivas  adicionais. Pode começar no dia em que deveria tomar a sua pílula corrente, colocar o anel vaginal ou o adesivo. Nesta situação deve usar um método contracetivo de barreira (preservativo) durante os primeiros 7 dias de toma de comprimidos, se não o fizer  e tiver relações sexuais desprotegidas deve usar contraceção de emergência.

Mudando de outro contracetivo oral só com progestagénios
Pode deixar de a tomar em qualquer dia e começar a tomar a nova pílula sem estrogénios, imediatamente, não precisando de tomar precauções contracetivas adicionais.

Mudando de um Injétavel, implante, dispositivo intrauterino (DIU) ou de um diapositivo intrauterino medicado (SIU)
Comece a utilizar a pílula sem estrogénios assim que se aproxime o dia de uma nova injeção ou, no dia em que seu implante ou DIU for removido. Não precisa de tomar precauções contracetivas adicionais.
Se começar a tomar a pílula sem estrogénios no dia de remoção do implante, DIU ou SIU ou no dia em que deveria fazer a injeção deve usar um método adicional (preservativo) durante 7 dias.

Depois de um aborto no primeiro trimestre

Recomenda-se que se comece imediatamente após o aborto. Neste caso não é necessário utilizar um método contracetivo adicional.

Como tomar a pílula sem estrogénios?

Cada blister contém 28 comprimidos de de toma diária. Todos os comprimidos são ativos e da mesma cor (não tem comprimidos placebo). Com a pílula sem estrogénios, não existem intervalos ou descansos, deverá tomar todos os dias. Tome o comprimido diariamente e aproximadamente a mesma hora. Recomenda-se que o comprimido seja tomada com água. Na parte de frente do blister estão impressas setas e o respetivo dia da semana em que se deverá tomar cada comprimido.
Poderá ocorrer alterações no padrão menstrual?
É possível que surjam algumas perdas de sangue durante a toma de um contracetivo sem estrogénios, no entanto dever continuar a fazer a terapêutica diária, tomando os comprimidos diariamente. Consulte o seu médico ou farmacêutico no caso de ter alguma dúvida.
Durante a utilização da pílula sem estrogénios, o padrão menstrual fica alterado. No entanto também se poderá dar o caso de continuar a ter  menstruações regulares. Estas alterações são mais frequentes durante os primeiros meses de uso e tendem a diminuir com a duração do tratamento. No entanto deve continuar a toma diária.

As alterações do padrão de menstruação mais frequentes são:
  • Ausência de menstruação (Amenorreia).
  • Alterações  na frequência do aparecimento da menstruação, perda escassa irregular e não previsível.
  • Período menstrual mais prolongado, perda tipo menstrual regular mas mais escassas em quantidade,podendo ter uma duração mais curta ou mais prolongada que a menstruação habitual.
  • Diminuição do período menstrual.

Alertamos que, o aparecimento de um sangramento não esperado não compromete a eficácia contracetiva da pílula sem estrogénio, desde que a toma dos comprimidos tenha sido correta.
Para manter a eficácia de um contracetivo oral sem estrogénios, é importante tomar a pílula todos os dias à mesma hora, mesmo que surjam alterações no padrão hemorrágico.
Consulte um profissional de saúde em caso de dúvida.

Como atuar perante o esquecimento?
A proteção contracetiva pode ser reduzida  se o atraso for superior a 36 horas.

Se o atraso for inferior a 36 horas tome o comprimido assim e tome o comprimido seguinte à hora habitual. A ação contracetiva da pílula mantém-se.

Se o atraso for superior a 36 anos horas
Pode engravidar. Nestas circunstâncias continua a pílula sem estrogénios e tem de utilizar um método de barreira ( preservativo) durante os 7 dias seguintes. Se tiver relações sexuais desprotegidas deve fazer contraceção de emergência.

Se vomitar ou utilizar médico no período de 3 -4 horas após a toma da pílula ou tiver uma diarreia grave, a substância ativa pode não ter sido complemente absorvida. Siga os conselhos descritos para o caso de esquecimento.

A eficácia da pílula sem estrogénio pode ser influenciada pelo uso de alguns medicamentos indutores enzimáticos. Consulte um profissional de saúde em caso de dúvida.

Posso tomar a pílula sem estrogénios durante o período de amamentação?
Os contracetivos orais sem estrogénios são o método de eleição para as mulheres que se encontram a amamentar. Uma vez que não contém estrogénios não interfere na quantidade e qualidade do leite materno e em estudos que foram realizados não foram observados efeitos negativos no desenvolvimento e crescimento dos lactentes.

Perguntas mais frequentes
Que poderá acontecer se tiver vómitos ou diarreia durante o uso de um contracetivo oral sem estrogénios?
No caso de ter  alterações gastrointestinais graves a absorção pode ser comprometida  e deverá. Se tiver vómitos no período de 3- 4 horas após a ingestão do comprimido, deverá seguir as mesmas recomendações da toma de um comprimido.

A pílula sem estrogénios é tão eficaz quando a pílula combinada?
Sim, a eficácia da pílula sem estrogénios é comparável com a dos contracetivos orais combinados.

A toma de alguns medicamentos pode diminuir a eficácia da pílula sem estrogénios?
Sim, existem alguns fármacos que podem interferir  com os contracetivos hormonais podendo diminuir a sua eficácia. Alguns deles são:
Medicamentos, para tratar a epilepsia: Fenobarbital, primidona, carbamazepina, felbamato
Medicamentos, para o tratamento infeções virais: ritonavir, nelfinalvir
outros medicamentos: griseofulvina, produtos contendo hipericão (Erva de São João).
Antibióticos: rifampicina, rifanbutina...

No caso de se encontrar a fazer tratamento com um destes medicamentos, deverá utilizar um método de barreira durante o período  de administração concomitante do fármaco e durante 28 dias após a sua descontinuação.

A pílula sem estrogénios protege contra as doenças sexualmente transmitidas?

Não, nenhum método anticoncecional hormonal protege contra as doenças sexualmente transmissíveis, tais como HIV/ SIDA. Nas relações de risco é recomendado o uso de um método de barreira (preservativo).

Que efeitos secundários podem surgir com os contracetivos orais sem estrogénios?

O efeito secundário mais frequente associado à pílula sem estrogénio é
a alteração do padrão menstrual que pode ocorrer em cerca de metade das utilizadoras. Outros efeitos indesejáveis que poderão ocorrer, incluem cefaleias, náuseas, tensão e dor mamária, etc. Em caso de dúvida consulte um profissional de saúde.

Fonte:Gedeon Richter

terça-feira, 16 de junho de 2015

Secura vaginal



Secura vaginal
  • São particularmente afetadas mulheres na menopausa e nos anos seguintes
  • Após cirurgia ao útero ou ovários
  • Toma de pílula contraceptiva
  • Gravidez e amamentação
  • Doenças metabólicas (P.ex. diabetes)
  • Radioterapia (tratamento de cancro)
  • Stress
Os sintomas de secura vaginal podem interferir com a qualidade de vida das mulheres afetadas

A sensação de secura é frequentemente acompanhada por outros sintomas, tais como prurido, ardor e dor na vagina, na entrada da vagina e na área genital externa. Em muitos casos, estes sintomas podem causar durante a relação sexual.

São particularmente afetadas mulheres na menopausa (que se inicia por vezes a partir dos 40 anos) e nos anos seguintes. Nestes casos, a secura vaginal deve-se a uma diminuição da produção das hormonas sexuais (como o estrogénio). É produzido menos fluido vaginal, a pele torna-se mais fina e frágil. Apesar deste processo ser perfeitamente normal, pode provocar um mal-estar considerável.

Após cirurgia ao útero ou ovários, durante a gravidez e a amamentação e aquando da toma de pílula contraceptiva, as deficiências, flutuações ou mudanças hormonais podem conduzir a sintomas de secura vaginal.
Além disso, algumas doenças metabólicas (como p.ex. a diabetes), medicamentos. radioterapia (tratamento de cancro) e o stress podem estar associados a secura na área genital interna e externa

Fonte: Gide Farma

segunda-feira, 15 de junho de 2015

Melatonina a hormona do sono


A melatonina vulgarmente conhecida como "hormona do sono" é uma hormona reguladora do sono por excelência. Sintetizada ao nível da glândula pineal, a melatonina é responsável pela regulação do ciclo circadiano e do ciclo do sono. É à noite, quando está escuro que se observa um aumento da síntese de melatonina no nosso organismo. Na verdade, quando estamos num ambiente escuro e calmo, os níveis de melatonima do organismo aumentam causando o sono.

Fatores como a idade e o stresse podem alterar os seus níveis de produção e conduzir, consequentemente, a perturbações do ritmo circadiano (período de aproximadamente 24 horas sobre o qual se baseia o ciclo biológico de quase todos os seres vivos).

Vários estudo levam levam a crer que a toma de suplementos à base de melatonina pode ajudar a combater a insónia, o jet-lag (descompensação horária)e alterações no ciclo vigília-sono
Além de tomar a melatonina pode optar por colocar em prática 3 regras fundamentais:
  • Deitar-se na cama apenas para dormir;
  • Não deixe luzes acesas no quarto;
  • Evite usar o computador ou televisão antes de dormir.
Fonte: Bioforma

domingo, 14 de junho de 2015

Soja alimentação alternativa

Pertencente à mesma família do feijão, da lentilha e da ervilha, a soja é conhecida há mais de 5000 anos, no Oriente, tendo-se tornado, nos últimos anos, num alimento muito falado e utilizado pelos Ocidentais.
Derivada da palavra japonesa "Shoyu", a soja é originária da China e do Japão.
Trata-se de uma leguminosa oleaginosa rica em proteínas, lípidos, fibras e algumas vitaminas e minerais.

Considerada por muitos como uma fonte proteica completa, uma vez que contém quantidades significativas de todos os aminoácidos essenciais, a soja é muitas vezes utilizada como substituto da carne e do peixe. Um verdadeiro deleite para os vegetarianos.

Contudo, é necessário ter em consideração que a soja não é fonte de vitamina B12, um elemento normalmente presente na carne que é fundamental para a formação dos glóbulos vermelhos e para a prevenção de anemias.

Por isso, se é vegetariano ou se por alguma razão evita o consumo de carne considere a possibilidade de tomar um bom suplemento alimentar à base de vitamina B12. A sua saúde agradece!
Um dos principais constituintes da soja e talvez o mais importante é a isoflavonas, um fitoestrogénio de origem vegetal presente nas leguminosas e em grande percentagem na soja.

No decorrer dos últimos anos, muitos foram os estudos realizados para tentar determinar os efeitos das isoflavonas no organismo.

A verdade é que os resultados podem ser um tanto ou quanto controversos ou até mesmo antagónicos mas muitos deles fazem-se acreditar que a toma de suplementos naturais à base de isoflavonas da soja pode ser um excelente coadjuvante para mulheres durante a menopausa. Acredita-se que o facto de terem alguma ação estrogénica faz com que as isoflavonas possam ajudar a diminuir alguns sintomas do climatérico como: os tão indesejados " afrontamentos" ou "calores", insónia entre outros.

Nos últimos anos, a indústria alimentar tem-se virado muito para a criação de novos produtos à base de soja. hoje em dia, já é possível encontrar hambúrgueres, salsichas, sobremesas, gelados, enfim, um mundo de opções para quem pretende fazer uma alimentação mais alternativa

Fonte: Bioforma

sexta-feira, 12 de junho de 2015

Ovusitol suplemento que ajuda a engravidar



O que é Ovusitol
Ovusitol é um suplemento alimentar que contém Inositol e Ácido fólico para manter o equilíbrio fisiológico da mulher em idade fértil nas situações em que são necessários aportes destes nutrientes para um melhor controlo do metabolismo das gorduras e açucares e da ovulação.

Qual a função dos principais componentes de Ovusitol
Inositol: é um composto natural pertencente ao complexo vitamínico B. Está presente numa grande variedade de alimentos como os cereais com alto conteúdo de fibras, nozes, carnes, fruta e vegetais. No organismo, o inositol faz parte de componentes estruturais e participa em diversos processos fisiológicos, como os que se relacionam com a ação da insulina e o metabolismo da glucose.

Acído fólico: é uma vitamina do grupo B (vitamina B9). Encontra-se no fígado, frutos secos e cereais. O ácido fólico é essencial para a multiplicação e divisão celular. Um nível adequado desta vitamina é importante desde a conceção, pelo que se recomenda a sua suplementação na mulher desde que planeia uma gravidez.

Composição
Ingredientes: Inositol, Ácido fólico



Informação nutricional
Por saqueta
%DDR*/por saqueta
Inositol
2000mg
-
Ácido Fólico
200ug
100%

* DDR: Dose Diária Recomendada


Concelhos de utilização
  • Dose diária recomendada: Tomar uma saqueta por dia ou conforme indicação médica. Dissolver o conteúdo da saqueta num copo de água.
  • Recomenda-se a toma deste suplemento alimentar desde o momento em que planeia uma gravidez até ficar grávida.

Precauções
  • Consumir de preferência antes do final do prazo de validade indicado na embalagem
  • Manter fora do alcance e da vista das crianças
  • Não exceder a dose diária expressamente recomendada
  • Não deve ser utilizado como substituto de uma dieta variada e equilibrada e um estilo de vida saudável
  • O produto não deve ser utilizado no caso de hipersensibilidade a qualquer um dos constituintes da formulação
  • Conservar em lugar fresco e seco.
Fonte: Italfarmaco

Leia também: Ovusitol ( De mãe para mãe)
Ovulider, o que é?

quinta-feira, 11 de junho de 2015

O hipericão


O uso medicinal desta planta, também denominada de Erva de São João, remonta à Antiguidade e são várias as propriedades que lhe são atribuídas.
Entre as principais ações desta planta destacam-se a ação antidepressiva, antcancerígena, anti-inflamatória e antimicrobiana.

O hipericão contém numerosos constituintes ativos, entre os quais, a hipericina e a pseudohipericina, a hiperforina e ainda flavonoídes, tais como a rutina e o hiperrósido.

Pensa-se que a atividade antidepressiva da planta está associada, essencialmente à presença das hipericinas e da hiperforina.

Um dos principais mecanismos envolvidos na atividade antidepressora do hipericão está associado à inibição da recaptação de alguns neurotransmissores tais como a serotonina, a noradrenalina, a dopamina e o ácido gama-aminobutírico (GABA).

Também se pensa que os flavonóides do hipericão possam ter efeito significativo sobre a depressão ao diminuírem a atividade da MAO (Monoaminoxidase).

Devido às suas propriedades, o hipericão encontra-se particularmente indicado em casos de ansiedade e depressão, tendo o ministério da saúde alemão recomendado a planta em situações tais como: perturbações psicossomáticas, alterações depressivas moderadas a suaves, ansiedade e fadiga nervosa.

O crescente interesse no hipericão está associado às suas importantes propriedades antidepressivas.

Fonte: Dias Saudáveis

quarta-feira, 10 de junho de 2015

O que é o ciclo menstrual?


O ciclo menstrual conta-se desde o primeiro dia de uma hemorragia até ao primeiro da hemorragia seguinte. O ciclo menstrual médio dura cerca de 28 dias. O aumento e a diminuição dos níveis hormonais ao longo do mês controla o ciclo menstrual, que tem três fases: folicular, ovulatória e luteínica
Na fase folicular, que se inicia no 1º dia de uma hemorragia (dia 1), os níveis de estrogénio aumentam gradualmente. A elevação dos níveis de estrogénios é responsável pelo espessamento das paredes do útero (endométrio) para conseguir suportar uma eventual gravidez. Simultaneamente, ocorre a maturação dos óvulos nos ovários, no interior de estruturas chamadas de folículos. Por volta do 14º dia, num ciclo de 28 dias, apenas um dos óvulos é libertado de um dos ovários para as trompas de Falópio, num processo denominado de ovulação.
 A fase luteínica começa após a ovulação é caracterizada por um aumento dos níveis de progesterona, produzida pelo corpo lúteo (folículo que deu origem ao óvulo). Esta hormona é responsável pelo aumento do endométrio e espessamento do muco cervical, com o objetivo de preparar o útero caso tenha ocorrido a fecundação do óvulo.
Se não houver fecundação, o corpo lúteo degenera, os níveis de estrogénio e progesterona diminuem e o endométrio sofre um processo de descamação, levando ao início de um novo ciclo menstrual, caracterizado pelo aparecimento de nova hemorragia.
Fonte: MSD

terça-feira, 9 de junho de 2015

O que é o Circlet


Circlet é um anel vaginal contracetivo utilizado para prevenir a gravidez. Cada anel contém uma pequena quantidade de duas hormonas sexuais femininas - etonogestrel e etinilestradiol. O anel liberta lentamente pequenas quantidades destas hormonas para a corrente sanguínea. devido a esta baixa libertação diária de hormonas, Circlet é considerado um contracetivo de ultra - baixa dosagem. Como Cirlclet liberta dois tipos diferentes de hormonas, é um contracetivo hormonal combinado.
Circlet tem o mesmo efeito da pílula contracetiva, mas em vez de tomar um comprimido todos os dias, basta colocar o anel na vagina uma vez por mês (liberta de forma contínua as hormonas contracetivas através da vagina).

Como utilizar Circlet?
A partir do momento em que coloca o anel vaginal, este não deve ser retirado durante 3 semanas. Ao fim de 3 semanas, retirar o anel no mesmo dia da semana em que foi colocado e, se possível, aproximadamente à mesma hora. Por exemplo, se colocou Circlet numa 4ª feira, por volta das 10 horas da noite, deverá retirá-lo 3 semanas mais tarde, por volta das 10 horas da noite.
Após ter removido o anel, não use outro anel durante uma semana. Cerca de 2 a 3 dias após a remoção do anel deverá surgir uma hemorragia vaginal (privação).
Ao fim de uma semana de interrupção do uso do anel, colocar um novo anel, exatamente no mesmo dia da semana e, se possível, aproximadamente à mesma hora em que retirou o anterior, mesmo que a hemorragia não tenha terminado.

Como inserir e remover Circlet?
  1. Segure no anel entre o polegar e o indicador, aperte-o para introduzir na vagina
  2. Escolha a posição que achar mais confortável para si, como por exemplo, de pé e com uma das pernas elevada, de cócoras ou deitada. Insira o anel na vagina com uma mão e empurre o anel para o interior da vagina até se sentir confortável. A posição exata do Circlet dentro da vagina não é importante.
  3. Deixe o anel assim colocado durante 3 semanas.
  4. Circlet pode ser retirado prendendo o dedo indicador no bordo do anel ou prendendo o anel entre os dedos indicador médio e puxando-o para fora.

Quando iniciar Circlet?
Não usou nenhum contracetivo hormonal durante o mês anterior
Não coloque nenhum anel vaginal se achar que pode estar grávida. Insira o primeiro Circlet no primeiro dia da menstruação ( ou seja, no primeiro dia do ciclo menstrual). Circlet começa a exercer a sua ação imediatamente e,por este motivo, não necessita de utilizar qualquer outra medida contracetiva. Poderá também iniciar Circlet entre o dia 2 e o dia 5 do seu ciclo, mas se tiver relações  sexuais durante os primeiros 7 dias de utilização de Circlet, não se esqueça de usar também método contacetivo de barreira (por exemplo, um preservativo). Deverá seguir este conselho apenas quando usa Circlet pela primeira vez.

Usar uma pílula combinada durante o mês anterior
Comece a usar Circlet o mais tardar no dia seguinte ao intervalo de tempo sem comprimidos da sua pílula atual. Se a embalagem da sua pílula atual também contém comprimidos inativos, comece a utilizar Circlet o mais tardar no dia seguinte a ter tomado o último comprimido inativo. Se a não tiver a certeza qual é o comprimido, pergunte ao seu médico ou farmacêutico. Nunca prologue o intervalo de tempo sem hormonas da sua atual embalagem para além do tempo recomendado. Se tiver usado a sua pílula em conformidade  e de forma correta, e se  tiver certeza que não está grávida, poderá, também, parar a toma da pílula em qualquer dia da sua embalagem atual e começar a usar Circlet imediatamente.

Usou um contracetivo injetável, implante ou sistema intrauterino (SIU) libertador de progestagénio durante o último mês.
Comece a utilizar Circlet no dia em que deveria tomar a sua próxima injeção ou no dia em que o implante ou o SIU libertador de progestágenio são removidos. Use sempre um método contacetivo de barreira (por exemplo, um preservativo) durante os primeiros 7 dias de utilização.

Dúvidas mais frequentes
Sente-se o anel durante as relações sexuais?
Quando está bem colocado, o anel vaginal não se sente. Este fica colocado na parte superior da vagina, que não tem sensibilidade ao tato. Além disso, há muitos homens que não sentem o anel durante as relações sexuais.

O anel pode ficar "perdido" dentro de mim?
Não. Não há perigo do anel ser empurrado para outros locais que náo a vagina ou "ficar perdido". O anel não passa o Cérvix uterino.

É preciso retirar o anel para fazer um exame ginecológico?
Não há necessidade de remover o anel para realizar a citologia morfológica do colo, exames de colposcopia ou ecografia pélvica transvaginal.

Leia também: Informação prática para as utilizadoras de Nuvaring

Fonte:MSD


segunda-feira, 8 de junho de 2015

Spermox, o que é?


Spermox contém uma combinação de antioxidantes poderosos que se considera serem capazes de contribuir para a saúde do esperma no caso dos casais que planeiam uma gravidez
Uma combinação exclusiva de antioxidantes para apoiar a saúde do esperma e a fertilidade.

Composição
  • Acetil L carniticina -1000mg por saqueta
  • Arginina -1000mg por saqueta
  • Coezima Q10 -50mg por saqueta
  • Licopeno -1mg por saqueta
  • Ómega 3 ( EPA/DHA) -350/250 mg por saqueta
  • Selénio - 105 ug por saqueta
  • Vitamina A (retinol) - 240 ug por saqueta
  • Vitamina B12 - 3ug por saqueta
  • Vitamina B6 - 2,o6 mg por saqueta
  • Vitamina C - 180 mg por saqueta
  • Vitamina E -30 mg por saqueta
  • Zinco - 20mg por saqueta
Demonstrou-se clinicamente que os antioxidantes presentes em Spermox protegem os espermatozoides da produção excessiva de ROS (radicais livres), neutralizam os ROS; produzidos pelos leucócitos, previnem a fragmentação do DNA, melhoram a qualidade do esperma nos fumadores, reduzem a criolesão dos espermatozoides, bloqueiam a maturação espermática precoce e estimulam os espermatozoides e ainda melhoram a taxa de conceção em ciclo espontâneo e em PMA (tratamentos de procriação medicamente assistida).

Quem deve tomar Spermox?
Spermox foi especificamente desenvolvido para o parceiro masculino que pretende ter um papel proactivo na melhoria da probabilidade de obter uma gravidez no contexto de infertilidade conjugal.

Spermox é particularmente útil para homens em idade fértil que pretendam melhorar a qualidade e quantidade espermática no contexto de infertilidade conjugal com fator masculino ligeiro ou moderado.

Como devo tomar Spermox?
A dose recomendada é de uma saqueta de Spermox por dia, de manhã, diluída num copo de água, sumo ou bebida fria, agitando até dissolução completa.

Durante quanto tempo devo tomar Spermox?
Uma vez que o ciclo de produção de esperma cura 74-78 dias, requerendo mais 25 dias para atingir a maturação dos espermatozoides, a toma de Spermox só produz efeitos três meses após o início do tratamento. Os homens devem continuar a tomar Spermox durante as tentativas do casal para alcançar a gravidez, ou em conformidade com as indicações do médico.

Onde posso adquirir Spermox?
Spermox só está à venda nas farmácias.

Spermox tem efeitos secundários?
Quando tomado nas doses recomendados não se conhecem efeitos indesejados nem interações medicamentosas causadas por Spermox.

Fonte: EFFIK

Pode ler também:Tratar problemas de fertilidade masculina

quinta-feira, 4 de junho de 2015

Tratar problemas de fertilidade masculina

No mundo da fertilidade os equívocos são muito comuns. Um mito popular consiste em acreditar que a infertilidade é um problema da mulher e que uma vez resolvido esse "problema", o casal ficará apto a conceber. Esta ideia não podia estar mais longe da verdade. Com efeito, em quase 30% dos casos de infertilidade, a causa prende-se com um fator masculino e 30% dos casos a causa deve-se a fatores relacionados a factores relacionados tanto com a mulher como com o homem. Há menos de uma década, o tratamento da infertilidade com um fator masculino grave limitava-se ao recurso a inseminações ou técnicas de reprodução medicamente assistida (FIV- fertilização in vitro) com esperma de dador.
Atualmente, os progressos impressionantes alcançados no domínio da infertilidade masculina introduziram opções terapêuticas inovadoras que oferecem aos casais uma oportunidade muito maior de conceberem os seus filhos biológicos.
O diagnóstico e o tratamento da infertilidade representam um processo demorado e dispendioso que pode ser frequentemente facilitado e abreviado se os dois membros do casal colaborarem desde o início com os respectivos médicos especialistas em fertilidade.

Problemas de fertilidade

A conceção humana é um processo difícil e complexo. Um esperma que funcione normalmente acabará por completar o percurso até à fertilização. Ou seja, os espermatozoides irão atravessar o muco cervical, percorrer toda a extensão do útero e entrar na trompa de Falópio.Uma vez no interior da trompa de Falópio, o espermatozoide tem que encontrar o óvulo, penetrar na camada protetora e a membrana interna deste e, finalmente, fertilizar o óvulo. Para aumentar as oportunidades de conceção do casal, pode ser necessário que o marido se submeta a testes de avaliação do esperma.

A qualidade do esperma produzido por um determinado indivíduo pode ser afetada por muitos fatores.
Os estudos mostram que os estilos de vida modernos, juntamente com a exposição à poluição e a outros fatores de stress, podem pôr em risco a saúde do esperma de um indivíduo.
Um exame inicial de fertilidade masculina inclui o historial médico, avaliação das hormonas masculinas em casos específicos, e uma ou mais análises ao sémen, que avaliam o volume, o número e concentração dos espermatozoides num ejaculado, a capacidade de movimento espontâneo num ejaculado, e de progressão e a normalidade morfológica dos espermatozoides.

A fisiologia reprodutora masculina

Tal como acontece na reprodução feminina, a reprodução masculina é influenciada pelas hormonas, exigindo o normal funcionamento do eixo hipotálmo- hipófise. tal como nas mulheres, a hormona libertadora de ganadotropinas (ou GnRH) é libertada, pelo hipotálamo de forma pulsátil, estimulando a libertação da hormona folículo- estimulante (FSH) e a hormona luteinizante (LH). Nos homens, a LH estimula sobretudo a produção de espermaqtozoides. Os testículos devem ter a capacidade de responder a este estímulo hormonal. Além disso, deve existir um sistema ductal intacto para transportar  o esperma até ao canal por onde é ejaculado, a uretra.

Os órgãos genitais masculinos consistem no escroto, que aloja os dois testículos e os sistemas dutais associados (epidídimo e os dois canais deferentes) e o pénis. Os testículos estão revestidos por uma camada fibrosa densa, deignada túnica albugínea, que divide os testículos em lóbulos. Cada um dos 200 a 300 lóbulos contém uma três túbulos seminíferos longos e enovelados, em cujo interior são produzidos os espermatozoides.

Contrariamente aos óvulos na mulher, no homem os espermatozoides são produzidos ao longo de toda a vida. Durante a espermatogénese e transporte através do trato reprodutor masculino, cada espermatozoide é tranformado numa célula altamente

especializada com motilidade própria e capacidade enzimática para penetrar no óvulo. A função epididimal deve ser normal e as glândulas acessórias devem ser funcionais para poder ser produzido um plasma seminal normal.Também é necessário um sistema nervoso intacto para permitir a ereção do pénis e uma ejaculação normal.

A infertilidade masculina
Causas
  • As causas da infertilidade masculina podem ser organizadas em três grupos:
  • Problemas com a produção de espermatozoides
  • Problemas de obstrução dos ductos e canais do trato reprodutivo masculino
  • Problemas com a ejaculação ou ereção
Os problemas com a produção de espermatozoides são de longe a causa mais comum das três, e podem ser detetadas durante a análise seminal (designada espermograma). Existem muitas causas para uma produção anormal de espermatozoides, incluindo problemas genéticos, exposição ao calor ou a químicos tóxicos, drogas e medicamentos, desequilíbrio hormonal e stress oxidativo.

Meio ambiente, estilo de vida e fertilidade

Durante as últimas décadas, o impacto da industrialização na saúde reprodutora tem sido motivo de preocupação. Esta preocupação deriva em grande parte dos estudos que mostram qua a qualidade do sémen dos homens na Europa e nos Estados unidos tem vindo a diminuir ao longo da segunda metade do século XX.
As toxinas ambientais referidas com maior frequência enquanto potenciais causadoras de infertilidade podem ser agrupadas em fatores físicos, químicos, ocupacionais e de estilo de vida.

Stress oxidativo:
o inimigo da saúde do esperma?
As espécies reativas de oxigénio (ROS), incluindo os radicais livres, são como pinballs químicas fora de controlo, que saltam desordenadamente causando danos as células como os espermatozoides.

De que forma é que a saúde do esperma é ameaçada pelo stress oxidativo?
o stress oxidativo no trato reprodutor masculino resulta na lesão da membrana plasmatíca do espermatozoide podendo perturbar a capacidade fecundatória do espermatozóide
O ADN contido no esperma é afetado pelo stress oxidativo com perda de intregridade da informação genética e reduzindo as possibilidades de fertilidade
O strees oxidativo contribui para uma diminuida capacidade de progressão e migração dos espermatozoides.
Evitar o stress oxidativo e melhorar a saúde do esperma
  • Fale com o seu médico sobre os medicamentos que está a tomar atualmente, porque alguns medicamentos podem afetar a saúde do esperma.
  • Evite o contacto com produtos químicos no trabalho e em casa.
  • Um sono adequado e a prática de exercício são essenciais para a saúde em geral, contribuindo também para a saúde reprodutora
Atenção: a pratica excessiva de ciclismo pode ter um efeito negativo
Mantenha um peso saudável- Ter um bom índice de massa corporal (IMC) é importante para a saúde  e o bem estar geral, contribuindo para a sáude reprodutora.

Que mais pode fazer?
Evite o álcool e o tabaco:
Foi demonstrado que o fumo, incluindo o fumo passivo, e o consumo excessivo de álcool prejudicam a saúde do esperma

Tenha relações sexuais no momento indicado:

As relações sexuais regulares otimizam as possibilidade de engravidar
Também é importante saber quando a companheira está a ovular. Fale como seu médico que o pode ajudar a calcular quando ocorre o período de ovulação

Evite roupa interior apertada, banhos quentes e cobertores elétricos:
Estes aumentam a temperatura dos testículos e podem reduzir a saúde do esperma.

Procure relaxar e evite o stress:

Estes aumentam a temperatura dos testículos e podem reduzir a saúde do esperma.

Procure relaxar e evite o stress:
O stress pode afectar a relação entre o casal, reduzir a líbido e a frequência das relações sexuais.

Mantenha uma alimentação adequada:

  • Uma dieta saudável (equilibrada) é essencial para a saúde em geral, contribuindo também para a saúde reprodutiva.
  • Inclua na sua dieta alimentos ricos em antioxidantes
  • Legumes, especialmente alcachofras, bróculos
  • Feijões, especialmente feijão comum e feijão de debulhar
  • Frutos secos, especialmente avelãs, nozes-pecan e nozes
  • Grãos, especialmente sorgo
  • Fruta, especialmente arandos, mirtilos, amoras, maçãs vermelhas e verdes
  • Chocolate negro
Considere a possibilidade de tomar um suplemento alimentar como o Spermox

Tratamento
Qualquer tratamento de fertilidade só surte efeito sobre a qualidade do sémem aproximadamente três meses depois do seu início- uma vez que é esta a duração de cada ciclo de espermatogénese, ou produção de espermatozoides. Se não for indicada uma terapêutica cirúrgica ou médica, é possível o recurso a técnicas de reprodução assistida.
No momento de escolher um plano de tratamento, devem ser tidos em consideração os objetivos a longo prazo de cada casal, os constrangimentos financeiros e os resultados da avaliação da mulher além dos dados relativos ao fator masculino.

Terepêutica
As terapêuticas mais bem sucedidas no que diz respeito à infertilidade masculina passam pela reversão dos desequilíbrios químicos, infeciosos ou endócrinos. Estes processos normalmente obtêm bons resultados porque o tratamento é baseado na correção de problemas bem definidos.
A associação de poderosos antioxidantes contribui também para obter resultados em casos de infertilidade masculina.

Técnicas de reprodução medicamente assistidas
Além dos tratamentos clínicos ou cirúrgicos de infertilidade que visam tratar condições de saúde específicas no fator masculino, também desenvolvida uma outra classe de tratamentos - designados de tratamentos de procriação medicamente assistida (PMA). As técnicas de PMA incluem também a inseminação artificial e a mais comum é a Fertilização in vitro (FIV), mas existem outros tratamentos dirigidos ao fator masculino de infertilidade como a:

Injeção intracitoplasmática (ICSI), associada ou não a procedimentos de extração de esperma tais como:
  • Aspiração do ducto deferente
  • Aspiração epididimal
  • Biópsia testicular
  • "Mapeamento " dos testículos
  • Congelamento de sémem
Fonte: EFFIK

quarta-feira, 27 de maio de 2015

10 regras alimentares para manter a sua visão normal

  • Deverá comer peixe pelo menos duas vezes por semana
  • Irá escolher peixe gordo sempre que puder
  • A sua dieta deverá incluir azeite
  • Deverá comer pelo menos 5 peças de fruta ou vegetais por dia
  • Irá optar pelas frutas e verduras, verdes, amarelas e vermelhas
  • Ira também optar pelos abacates, repolhos, agriões, alfaces e ervilhas
  • Não deixará de lado os frutos secos, o pão integral, citrinos e os ovos
  • Deverá comer mexilhões, gambas, ostras e outros crustáceos e moluscos
  • Irá evitar os alimentos demasiado gordos, açucarados ou os que tenham muitas calorias
  • Deverá praticar exercício e evitará o excesso de sol  e o tabaco
  • O zinco e DHA* (ácidos gordos ómega3) contribuem para a manutenção de uma visão normal
  • As vitaminas C e E, contribuem para a proteção das células contra as oxidações indesejáveis

Onde se encontram?
Luteína -Zeaxantina mg/100g
Espinafres-6,40
Gema de ovo - 1,57
Brócolos - 1,10
Milho doce cozido - 0,74
Espergos verdes - 0,50
Couves de Bruxelas - 0,50
Ervilhas - 0,50
Alface - 0,34
Pimentos - 0,34
Abacate - 0,31
Laranja - 0,14
Kiwi  - 0,10
Batatas - 0,04

Vitamina E mg/100g
Óleo de girassol - 55
Avelãs - 21
Óleo de milho - 12
Margarina vegetal - 10-80
Amendoins - 8
Azeite - 5
Azeitonas verdes - 1,5-2
Nozes - 1,5
Fruta e verduras <1 br="">
Vitamina C mg/ 100g
Groselhas - 180-200
Repolho verde - 120-180
Pimentos - 100
Brócolos- -90-150
Couve de Bruxelas - 90-150
Kiwis - 80
Couve flor - 60-80
Morangos - 60
Espinafres - 50-90
Citrinos - 40-6

Ácidos gordos Ómega 3 mg/100mg
Peixe gordo - 1,0-1,5
Peixe meio gordo - 0,3-0,6
Crustáceos  - 0,2-0,4
Moluscos Peixe magro - 0,1-0,2

Zinco mg/100mg
Ostras - 70
Pão integral - 5
Carne vermelha - 4
Fígado - 4
Gema de ovo - 4
Caracóis - 2,5
Legumes - 2,5
Rins- carne de aves ou de porco  - 2,5
Crustáceos - 2-10

Fonte:Bausch + Lomb


terça-feira, 17 de fevereiro de 2015

Para reforçar as defesas com Equinácea

Planta originária da América do Norte que conta já com uma longa história de utilização na medicina tradicional devido às suas propriedades terapêuticas.
Tem sido usada tradicionalmente em diversas condições infecciosas, incluindo na prevenção e alívio dos sintomas de gripes e infeções recorrentes do trato respiratório.

Para além da atividade anti microbiana, esta planta possui ainda reconhecidas propriedades imunoestimulantes, estimulando as defesas do organismo e ativando os mecanismos de proteção contra vírus ou bactérias. Em conjunto, estas propriedades são responsáveis pela utilização da equinácea no tratamento e prevenção da constipação comum, da gripe e de outras infeções do tratamento respiratórios superior.
Os compostos ativos responsáveis pelas propriedades da equinácea são várias, entre os quais, os polissacáridos, as glicoproteínas os flavonóides.

Numa revisão de 14 estudos realizada para avaliar os efeitos da equinácea na prevenção e tratamento da constipação comum, conclui-se que a equinácea reduziu em 58% as probabilidades de desenvolver uma constipação, bem como a duração da constipação em 1 a 4 dias.

Na Alemanha, o ministério da saúde aprovou a utilização da Echinacea purpurea (partes áreas da planta) como coadjuvante em constipações e infeções crónicas do aparelho respiratório e urinário.
Como qualquer outra planta, também como a equinácea há algumas precauções a ter em conta aquando da sua utilização: é recomendado um período de pausa de 2 a 3 semanas após o seu uso continuada (mais do que 8 semanas) e não deve ser utilizada em caso de doenças do sistema imunitário.

Fonte:Dias Saudáveis

segunda-feira, 16 de fevereiro de 2015

Como tratar a queda de cabelo

Existem vários motivos que explicam a queda de cabelo, entre os quais fatores hormonais, genéticos ou até mesmo psicológico. No entanto, há cuidados que pode ter no seu dia-a-dia para evitar que perca mais cabelos do que o normal. Em média, uma pessoa perde diariamente cerca de 50 a 100 dos 150.000 fios de cabelo do seu couro de cabeludo. É normal a perda de um ou outro fio de cabelo quando o escovamos, ou quando tomamos banho. No entanto, quando durante o dia cai com mais frequência e em maior quantidade, então pode ser sinal que algo se passa com o nosso organismo, recomendando-se o aconselhamento com um dermatologista.

Nunca é demais relembrar que o aconselhamento farmacêutico ou de outro profissional de saúde pode ser uma ajuda preciosa no combate à queda de cabelo, sobretudo quando esta é provocada por maus hábitos alimentares, stress, tabagismo ou por agressões físicas ou químicas. O farmacêutico pode ajuda-lo na escolha dos produtos mais indicados para a sua situação, bem como na adoção de um estilo de vida mais saudável. Na maioria dos casos, a queda de cabelo explica-se com o ciclo de renovação do cabelo. Os fios de cabelo têm um ciclo de vida que se divide em três fases: a anagénese, que corresponde à fase de crescimento, que pode durar entre 2 a 6 anos. Cada folículo cresce ao seu tempo, ou seja, cada fio de cabelo tem o seu próprio crescimento, não há qualquer sincronização de regeneração dos fios de cabelo. Esta fase é importante para a produção de fibra capilar, sendo que, geralmente, o cabelo cresce cerca de um centímetro por mês. Numa segunda fase, a catagénese, com a duração de 3 semanas, o cabelo passa por uma transição, durante a qual o crescimento pára. Nesta fase estão menos de 1% dos cabelos de uma cabeleira saudável. Posteriormente, o folículo prepara-se para a fase de repouso celular, ou telogénese, que constitui a terceira e última fase do processo de crescimento do cabelo. Nesta fase, com duração de cerca de 3 meses, o cabelo não cresce mais e os fios de cabelo começam a cair, empurrados pelos novos fios em crescimento,iniciando-se assim um novo ciclo. Num ciclo normal, cerca de 85% dos seus fios de cabelo estão em crescimento, enquanto os restantes (15%) estão na fase de queda. Pode haver, no entanto, um descontrolo e uma descontinuidade neste processo, que pode ter diversas causas.

Porque caem os cabelos?
A genética, neste caso, pode ser muitas vezes determinante e há muito pouco a fazer para evitar este processo. Níveis de stress elevados, problemas de tiróide ou até uma alimentação pobre em proteínas, podem também ser algumas das causas da queda de cabelo.Existem igualmente fatores externos que podem causar estragos no cabelo, desde a raíz até às pontas, como os alisamentos e a utilização de tintas excessivamente agressivas. Deve evitar esses tratamentos, particularmente a sua repetição, pois os danos provocados podem ser notórios. Um fio de cabelo danificado poderá cair mais depressa.

Especialmente para as mulheres, usar penteados em que faça o chamado "rabo de cavalo" pode ser também uma das causas para a queda de cabelo. Quando apanha o seu cabelo com um elástico, o facto de puxar a sua cabeleira para que fique estática durante tanto tempo pode partir ou danificar a raiz dos folículos.
E de certeza que já ouviu dizer para nunca ir dormir com o cabelo molhado! Este conselho serve tanto para evitar a queda de cabelo como para evitar o aparecimento da caspa. O facto de que a água permanece no cabelo durante horas pode ajudar ao desenvolvimento excessivo de fungos e bactérias na raiz.

Há também a queda sazonal de cabelo. A estação do ano pode influenciar a queda de cabelo. Parece existir uma aceleração do crescimento no verão e uma queda mais acentuada nos meses mais frios sobretudo no outono. Ainda se pode falar em incluir na sua alimentação minerais, como o zinco, para reforçar a vitalidade do seu cabelo.

Tenha cuidado com as dietas muito rígidas, elas podem contribuir para a queda de cabelo. É essencial ter um bom regime alimentar, com destaque para alimentos ricos em proteínas, algumas vitaminas do complexo B, e ainda minerais como o zinco e o cobre, que contribuem para a manutenção de um cabelo saudável. Caso não consiga introduzir na sua alimentação diária estes nutrientes, existem no mercado suplementos alimentares que os incluem na sua composição.

Fatores que provocam queda de cabelo:
  • Hereditariedade
  • Stress
  • Maus hábitos (lavagem com água demasiado quente, dormir com o cabelo molhado)
  • Alimentação pobre e pouco variada
  • Envelhecimento natural do folículo
  • Tabaco (a nicotina diminui a circulação do sangue o que impede a chegada de nutrientes essenciais à raiz do cabelo)
  • Aplicação frequente de técnicas ou produtos químicos agressivos para o cabelo
  • Alterações hormonais (pós-parto)
  • Doenças Virais e Bacterianas
  • Sazonalidade (maior queda durante os meses mais frios, sobretudo outono)

Fonte:+ saúde





sexta-feira, 6 de fevereiro de 2015

Como prevenir e tratar perdas de urina



Incontinência, pingos involuntários

São involuntárias as perdas de urina que significam incontinência, mas nem por isso deixam de causar embaraço. O problema é mais feminino do que masculino, mas pode acontecer a qualquer um.

A incontinência urinária resulta da incapacidade em armazenar e controlar a saída de urina.É um problema comum mas muito constrangedor. A gravidade do problema varia bastante, desde perdas de urina ocasionais ao tossir e espirrar até uma vontade de urinar tão súbita que não permite aguentar até chegar à casa de banho mais próxima.

A incontinência urinária condiciona a vida social do indivíduo, inibindo o convívio com familiares e amigos pelo medo de que ocorra uma perda involuntária de urina e a vergonha de que os outros sintam o cheiro. A preocupação em esconder o problema evita, muitas vezes, a abordagem ao acompanhamento médico e faz com que o doente recorra a utilização de fraldas, mudas de roupa suplementar ou a um reconhecimento prévio das instalações sanitárias a que poderá recorrer quando sai do seu ambiente.
Na maioria dos casos porém, mudanças simples no estilo de vida ou tratamento médico adequado podem aliviar o desconforto ou, até mesmo solucionar o problema.

Tipos de incontinência
Fala-se em incontinência como um problema único, mas a verdade é que existem diversos tipos, a saber:
Incontinência de esforço: tipo mais prevalente em mulheres acima dos 45 anos, que decorre da fragilidade dos músculos pélvicos que suportam a bexiga e a uretra. Em circunstância de maior esforço, como tossir, saltar, correr, espirrar ou levantar pesos, a pressão abdominal aumenta a pressão dentro da bexiga e força a urina a sair pela uretra que, por sua vez, não tem capacidade para reter a urina, deixando-a sair. Nos homens este problema pode derivar da prostatectomia radical (utilizado para tratamento do cancro da próstata), uma cirurgia que pode danificar o esfíncter, provocando uma situação de incontinência de esforço.

Incontinência por urgência ou imperiosidade: resulta da vontade súbita e incontrolável de urinar. Este tipo de incontinência pode estar relacionado com o envelhecimento e o avanço da idade. mas também surge em idades mais jovens, associado a doenças
neurológicas ou muitas vezes sem causas identificáveis. Este tipo de incontinência urinária condiciona o dia-a-dia das pessoas.
Incontinência mista: combinação de incontinência de esforço e de urgência.

Fatores de risco
Qualquer pessoa pode sofrer de incontinência urinária mas há alguns fatores que aumentam a probabilidade de esta ocorrer:
  • Género: As mulheres são mais propensas do que os homens a sofrer de incontinência urinária de esforço devido à falta de suporte muscular no local onde a bexiga se une à uretra, causada por relaxamento muscular resultante da idade e agravada pela menopausa. O parto pode também contribuir para esta incontinência, razão pela qual se aposta hoje muito na prevenção através da realização de treinos musculares. No entanto, os homens com problemas de próstata têm um risco maior de incontinência de esforço ou por urgência.
  • Idade: À medida que envelhecemos, os músculos da bexiga e da uretra perdem elasticidade. No entanto, envelhecer não significa necessariamente que se venha a ter incontinência.
  • Excesso de peso: A obesidade e o excesso de peso aumentam a pressão sobre os músculos da bexiga, enfraquecendo-os e permitindo a perda de urina quando se tosse ou espirra.
  • Fumar: A tosse crónica associada ao tabagismo pode causar episódio de incontinência ou agravar a doença. A tosse constante coloca muita pressão sobre o esfínter urinário, lavando à incontinência de esforço. Fumar também aumenta o risco de bexiga hiperativa, causando contrações da bexiga.
  • Outras doenças: Doenças renais ou diabetes aumentam o risco de sofrer urinária.

Tratamento existe
O tratamento da incontinência urinária depende do tipo de incontinência que se tem mas pode ser feito com fisioterapia, exercícios específicos para os músculos do pavimento pélvico (exercícios de Kegel), medicamentos e, em alguns casos, cirurgia. A fisioterapia é bastante aconselhada para o tratamento da incontinência urinária pois é necessário realizar exercícios várias vezes ao dia para conseguir atingir a cura da doença.
O tratamento cirúrgico desempenha um papel preponderante na incontinência urinária de esforço, tanto na mulher como no homem.

Na incontinência  urinária por imperiosidade, a taxa de sucesso dos anticolinérgicos ou antimuscarínicos (tratamento de primeira linha, cuja ação estabiliza o músculo vesical- o detrusor - inibindo a sua contração involuntário) situa-se nos 80%
As alterações comportamentais necessárias principalmente na incontinência por imperiosidade, passam por um controlo da ingestão de líquidos e a exclusão de alimentos irritantes para a bexiga, como por exemplo a cafeína, bebidas gaseificadas, álcool comida picante e condimentos.

Exercite os músculos
Criados pelo ginecologista Arnold Kegel, estes exercícios são muito úteis para quem sofre de incontinência urinária e são considerados a melhor forma de prevenção. O objetivo dos exercícios de Kegel pélvicos, melhorando também a função da uretra e reto.
Também podem melhorar o desempenho nas relações sexuais.
Para fazer os exercícios de Kegel de forma correcta, esvazie a bexiga e contraia os músculos pélvicos, conte até 10 e a seguir relaxe os músculos até 15 novamente para relaxar.Para identificar o grupo de músculos corretos para a contração, basta interromper o fluxo de urina no ato da mição. Esta é a contração correta. Os exercícios de Kegel podem ser utilizados para a incontinência urinária das mulheres ou dos homens, devendo ser realizados especialmente pelas grávidas.

Fonte: + Sáude
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
X

Tratar Saúde

Receba no seu e-mail dicas de saúde

Subscreva a newsletter gratuita.





Pesquisa personalizada