terça-feira, 29 de março de 2016

O que é a Síndrome da Bexiga Dolorosa/ Cistite Intersticial?

A Síndrome da Bexiga Dolorosa/ Cistite Intersticial(SBD-CI), é uma das perturbações de dor pélvica crónica, é uma condição que resulta da ocorrência de desconforto ou dor recorrentes na bexiga e na região pélvica circundante. A doença, que é mal diagnosticada com muita frequência, tem um impacto negativo significativo na vida dos doentes, implicando necessidade frequente de urinar e dor crónica.

Qual é a causa da Síndrome da Bexiga Dolorosa/ Cistite Intersticial (SBD-CI)?
A causa é desconhecida. Ao contrário da cistite "vulgar", que é causada por bactérias e é sensível aos antibióticos, acredita-se que a SBD-CI não é provocada por uma infeção bacteriana e não responde à antioterapia convencional.

Quais são os sintomas da SBC-CI?
Os sintomas características da SBD-CI são:
  • Frequência: Frequência de mição durante o dia e/ou noite (até mais de 40 vezes por dia nos casos graves). Nos casos iniciais ou muito ligeiros, muitas vezes o único sintoma é a frequência.
  • Urgência: sensação de ter de urinar imediatamente, que também pode ser acompanhada por dor, pressão ou espasmos.
  • Dor: Pode existir dor na região abdominal baixa, na uretra ou vagina.É também frequente haver dor durante as relações sexuais.
Os homens com SBD-CI podem sentir dor testicular, escrotal e/ou perianal, bem como ejaculação dolorosa.

Como diagnosticar a Síndrome da Bexiga Dolorosa/ Cistite Intersticial (SBD-CI)?
Infelizmente, até à data não existe ainda nenhum teste de diagnóstico específico e reconhecido universalmente. Normalmente, o diagnóstico baseia-se em:
Sintomas: urgência, frequência ou dor pélvica ou dor na bexiga.
Achados cistoscópicos (exame ao interior da bexiga e das outras partes do sistema urinário feito por meio de um instrumento)
Exclusão de outras doenças da bexiga (infeção do trato urinário, tumor, tuberculose, etc.).

As dificuldades no diagnóstico diferencial de SBD-CI podem levar o doente a passar por um longo e doloroso processo até à sua obtenção.
Os doentes podem ser classificados em duas categorias distintas. A grande maioria (90%-95%) dos doentes é diagnosticada SBD-CI "inicial não ulcerativa". Acredita-se que os doentes que apresentam a doença "ulcerativa clássica" se enquadram na segunda categoria de  SBC-CI, a mais grave, podendo mesmo sofrer já de redução da capacidade e endurecimento das paredes da bexiga.

Por que motivo é difícil diagnosticar a SBD-CI?
O diagnostico de SBD-CI é difícil por vários motivos:
A origem da síndrome tem sido controversa. Só muito recentemente é que foi estabelecida, e se tornou prevalente, a teoria de que existe uma deficiência da camada bioprotetora da bexiga
São ainda utilizadas diferentes definições e terminologias: síndrome de bexiga irritativa, síndrome de urgência/frequência,síndrome de dor pélvica, cistite não bacteriana, etc.

A SBD-CI pode ser facilmente confundida com muitas outras doenças da bexiga, como a infeção do trato urinário (ITU), porque os sintomas de frequência e de urgência são comuns a maioria das doenças da bexiga. É normal uma doente do sexo feminino ser inicialmente diagnosticada erradamente como uma infeção bacteriana (cistite). Aos homens com sintomas de SBD-CI é frequentemente confundido com o diagnóstico de prostatite ou obstrução da saída da bexiga.

Deficiência da barreira sangue- urina da bexiga
Existe uma camada protetora da bexiga, a chamada de glicosaminoglicanos (GAG), que constitui uma bio-barreira contra os microrganismos, carcinógénios, cristais e outros agentes presentes na urina. Esta "biocamada" existente na superfície interna da parede da bexiga foi identificada como sendo a principal mecanismo de defesa para a proteção do epitélio transicional (camada mais externa do tecido dos órgãos), contra agentes irritativos urinários.

No entanto, os estudos demonstram que nos doentes com SBD-CI existe uma deficiência nesta camada protetora, o que permite que as substâncias existentes na urina se tornem agressivas para a parede da bexiga e despoletem os sintomas da SBD-CI. Consequentemente, foi feito um grande esforço de investigação para o desenvolvimento de um revestimento protetor da bexiga, como o Cystistat (hialuronato de sódio), o que reveste a bexiga, restaura a camada protetora da mesma e consequentemente reduz a irritação.

Quantas pessoas sofrem de SBD-CI?
  • Aproximadamente 16500 em cada 100.000 indivíduos da população feminina
  • Aproximadamente 90% dos doentes com SBD-CI são mulheres.
  • A média de idades de aparecimento da doença é de 40 anos
  • É invulgar ocorrer uma deterioração tardia dos sintomas.
  • 50% dos doentes com SBD-CI sentem dor ao viajar de automóvel
  • Quase 2/3 dos doentes não conseguem trabalhar a tempo inteiro.

A dieta é importante?
É sempre importante ingerir quantidades razoáveis de fruta  e de vegetais. Tem eliminar da sua dieta alimentos muito condimentados. As informações obtidas nos estudos revelam que os seguintes alimentos e bebidas aumentam o nível de dor: álcool, bebidas gaseificadas, todos os alimentos que contêm cafeína (chá, café, chocolate, etc), alimentos e bebidas com elevado teor de acidez (laranjas, toranja, limões e tomates), queijo curado,iogurte e pickles. Adoçantes artificiais, açúcar e aspirina também são irritantes.

Viver de novo
Cystistat contém hialuronato de sódio, que é o principal componente da camada protetora da bexiga. É uma solução que é instilada num procedimento seguro e simples, diretamente para dentro da bexiga, Atua como substituto temporário da camada de GAG deficiente. Cystistat só deve ser administrado por pessoal médico qualificado ou doentes que tenham recebido formação apropriada.

Efeitos secundários mínimos
Como Cystistat é administrado através de instilação intravesical, é praticamente isento de efeitos secundários sistémicos.
Cystistat foi utilizado no tratamento de várias formas de cistite (inflamação da bexiga) com um excelente perfil de segurança.

Noutras formas de cistite
Ao substituir e proporcionar a restauração da camada protetora da parede da bexiga, Cystistat provou que alivia com êxito a dor e o desconforto da cistite intersticial, bem como de outras formas de cistite, como a cistite induzida por radiação, servindo também para fazer a prevenção de ITUs causadas por cateter e a prevenção da cistite bacteriana recorrente.

Prevenção da cistite bacteriana recorrente
As infeções do trato urinário (ITU) encontram-se entre as infeções bacterianas mais comuns, afetando as mulheres com uma frequência muito mais elevada do que os homens. As estimativas sugerem que cerca de um terço das mulheres terão tido pelo menos um episódio de ITU a exigir tratamento com antibiótico quando tiverem atingido os 24 anos de idade. Durante a vida, metade das mulheres terão tido pelo menos uma ITU. Observa-se também um nível elevado de recorrência de ITU, com uma taxa decerca de 25-35% no prazo de 3-6 meses.
Estudos realizados na Europa utilizando Cystistat demonstraram que o período livre de infeções aumenta até cinco vezes no caso das mulheres submetidas a terapêutica com Cystistac.

Alívio nas Complicações associadas à Radiação
A Cistite Induzida por Radiação (CIR) é um efeito secundário do tratamento dos cancros pélvicos por radiação, nomeadamente do cancro da bexiga ou da próstata, bem como do cancro do útero,do colo ou dos ovários. Os doentes com cancro pélvicos podem sofrer de complicações induzidas pela radiação nos órgãos adjacentes, nomeadamente na bexiga. Os sintomas incluem inflamação da bexiga, dor, hemorragia minor a grave e um aumento da urgência urinária. Os sintomas podem ocorrer imediatamente após a radioterapia ou podem demorar até 10 anos aparecer. Os estudos demonstraram que Cytistat tem uma taxa de êxito excelente a nível da redução da toxicidade induzida pela radiação na bexiga de doentes que estão a fazer radioterapia.

Fonte: ipsen
Innovation for patient care





domingo, 27 de março de 2016

Dúvidas sobre o Vírus do Papiloma humano (HPV)


"Sou seguida regularmente pelo meu ginecologista e faço o rastreio. Será que é suficiente para prevenir uma doença por HPV?"
O rastreio pode ser feito por citologia (teste de papanicolau) e através de um teste de HPV.. O rastreio é muito importante como prevenção secundária mas não impede a infeção por HPV nem a possível progressão para o cancro do colo do útero.

Nalguns casos, os resultados da citologia são normais apesar das mulheres poderem estar infetadas por HPV. Por isso é muito importante que faça frequentemente o rastreio.
O rastreio apenas deteta lesões do colo do útero. Não é possível rastrear as outras doenças genitais causadas pelo HPV:
  • Cancro do ânus,
  • Cancro da vulva
  • Cancro da vagina,
  • Respetivas lesões pré-cancerosas e condilomas genitais.
Estas doenças poderão ser preveníveis através da vacinação.
A vacinação associada ao rastreio é a forma mais eficaz de prevenção.

"Já tive uma lesão do colo do útero e fui tratada"
Poderei voltar a ter outra infeção?
O que posso fazer para evitar essa situação?
Todas as mulheres sexualmente ativas estão continuamente em risco de infeção por HPV ao longo da vida.
As mulheres que já foram tratadas de uma lesão por HPV têm risco elevado de recorrência.
Fale com o seu médico para prevenir novas infeções através da vacinação.

"Eu tenho uma relação estável, há vários anos. Será que devo preocupar-me com o HPV"
O HPV é um vírus altamente contagioso que se transmite facilmente no contato pele com pele ou durante as relações sexuais (genital,anal,ou oral)
Qualquer mulher sexualmente ativa pode ser infetada por HPV
Na maioria dos casos o organismo consegue eliminar o vírus. Porém, em algumas pessoas, o HPV não desaparece e pode provocar doença. Não é possível prever quem vai desenvolver a doença associada a este vírus.

"A minha filha foi vacinada contra o HPV. Na minha idade faz sentido pensar na vacinação"
O Papiloma vírus humano (HPV) é um vírus muito frequente que infeta 75 a 80% de mulheres e homens sexualmente ativos, ao longo da vida.
As mulheres mais velhas, quando infetadas, têm maior risco de desenvolver doenças genital por HPV
As mulheres que já tiveram uma infeção por HPV continuam em risco de contrair nova infeção por HPV

O HPV é responsável por:
  • 100% do cancro do colo do útero
  • 90% verrugas genitais
  • 84% cancro do ânus
  • 70% cancro da vagina
  • 40% cancro da vulva

Fonte: MSD

sexta-feira, 25 de março de 2016

Como usar as sementes de cânhamo


A produção de cânhamo iniciada na Ásia, é hoje conhecida como uma das mais ecológicas e a planta uma das mais versáteis. Com um elevado aporte de vitaminas, minerais e um alto teor em fibra, presente maioritariamente na casca, as sementes inteiras são um excelente complemento à alimentação diária com inúmeros benefícios, nomeadamente:
  • As proteínas contribuem para o crescimento e manutenção da massa muscular. O Zinco contribui para a síntese normal das proteínas. O Potássio contribui para o normal funcionamento muscular.
  • A Vitamina B1, o Magnésio e o Ferro contribuem para o normal metabolismo produtor de energia. O Ácido Fólico e o Magnésio contribuem para a redução do cansaço e da fadiga. A Vitamina E contribui para a proteção das células contra as oxidações indesejáveis.
  • O Ferro e o Zinco contribuem para uma normal função cognitiva. A Vitamina B1 e o Magnésio contribuem para uma normal função psicológica e para o normal funcionamento do sistema nervoso
Devido ao seu perfil nutricional único são ideais para quem pretende reduzir o consumo de proteína de origem animal, vegans, desportivas, para pessoas ativas fisicamente e com um grande desgaste mental.

Como utilizar as sementes inteiras no seu dia-a-dia
 Pequenos-almoços e lanches- Colocar as sementes inteiras de molho durante a noite. Adicionar 1 a 2 colheres de sopa a cereais de pequeno-almoço, às papas de aveia, batidos, iogurtes e puré de maçã.

Pães, bolos, bolachas, panquecas- Num processador de alimentos, reduzir as sementes de cânhamo inteiras a farinha. Enriquecer as massas de pães, bolos, bolachas e panquecas, com 2 a 3 colheres de sopa de farinha de cânhamo por cada 500g de farinha.

Bebida de cânhamo- Colocar 100g de sementes cânhamo inteiras e 25g de amêndoas de molho cerca de 8 horas. Escorrer e triturar as sementes de cânhamo e as amêndoas com 500ml de água, 2 colheres de chá de canela em pó e 1 colher de sobremesa de xarope de agave. Filtra a mistura com um pano ou passador. Reservar no frigorífico e consumir no período máximo de 3 dias.

Fonte: Cem porcento

quinta-feira, 24 de março de 2016

Como cuidar e preservar a sua visão.


O olho é um dos órgãos mais complexos e sensíveis do corpo humano. Dele depende o sentido que mais utilizamos - a visão.

Assim como outros órgãos do corpo humano como o cérebro ou o coração, a visão depende, de uma maneira geral, do estado físico, do estilo de vida e de uma alimentação variada e equilibrada.

Uma consulta regular ao oftalmologista pode detetar antecipadamente problemas que, quando não são tratados num estado precoce, podem afetar gravemente a visão e consequentemente a qualidade de vida.

O que é a retina?
A retina é a parte do olho responsável pela receção da luz que recebemos do exterior e que é posteriormente transmitida ao cérebro para ser descodificada em imagens.

A retina é constituída por milhões de fotorreceptor, células que captam a luz que chega à retina e que a transmitem para o cérebro através de impulsos nervosos.

Na área central da retina encontra-se a mácula que é responsável pela visão de maior definição - a visão central - fundamental, por exemplo, para ler.

Benefícios dos Ómega 3
Os Ómega 3 são ácidos gordos poli-insaturados, essenciais para a manutenção da estrutura e da atividade das membranas assim como para a atividade de todas as células do organismo. Não são fabricados pelo organismo e têm que ser através de uma dieta diária equilibrada e rica em certos tipos de alimentos como algumas espécies de peixes.

Os ácidos alfa- linolénico (ALA), eicosapentaenóico (EPA) ou docosaexanóico (DHA) são alguns dos tipos de Ómega 3 que têm funções especificas em diversos tecidos, particularmente no cérebro e na retina (visão).

Diversas fontes científicas apontam também os Ómega 3 como essenciais para o bom funcionamento do sistema cardiovascular.

O complexo vitamínico B
Estudos recentes apontam para uma importância fundamental da vitamina B na redução dos níveis de homocisteína, fator que pode predispor para acidentes cardiovasculares e doenças da retina.

A Lutéina e a Zeaxantina
A Lutéina e a Zeaxantina são anti-oxidantes potentes que se encontram em altas concentrações na retina.

Diversos estudos revelaram que a ingestão de Luteína e Zeaxantina é fundamental para a prevenção de doenças degenerativas da retina.

Fonte: Thea Innovation

segunda-feira, 21 de março de 2016

Está cansado! Tome magnésio

Sabia que o aporte nutricional diário do Magnésio é muitas vezes insuficiente?

É um mineral essencial, presente em todas as células do nosso organismo, especialmente nos ossos, dentes, músculos e tecidos moles e é necessário para os principais processos biológicos, incluindo a transmissão de impulsos biológicos, incluindo a transmissão de impulsos nervosos, o relaxamento muscular, o metabolismo da glicose e a síntese de ácidos nucleicos


Tem uma importante função a nível neuromuscular, onde atua em simultâneo com o cálcio. Enquanto o cálcio estimula a contração muscular, o magnésio, pelo contrário promove o relaxamento dos músculos. Quando existe um défice de magnésio, o músculo permanece contraído dando origem a cãibras, fraqueza muscular, fadiga, formigueiros, falta de coordenação motora e, por vezes, hipertensão arterial e arritmias cardíacas, entre outros sintomas.
Existem determinadas situações em que se verifica um défice do magnésio. Estas situações que podem ser crónicas (por ex. doença de Crohn, diabetes) ou temporárias como no caso de esforço intelectual e físico intenso, stress e hábitos alimentares inadequados.

Fonte: Farma suplementos
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
X

Tratar Saúde

Receba no seu e-mail dicas de saúde

Subscreva a newsletter gratuita.





Pesquisa personalizada