quarta-feira, 30 de março de 2011

Endometriose

Endometriose trata-se de uma doença que afecta os órgãos da pélvis e começa antes do nascimento e enquanto se processa o desenvolvimento no ventre da sua mãe. Pequenos núcleos de células endometriais «extraviam-se » e penetram na pélvis, nos ovários, nas trompas de Falópio e até na bexiga. Aí formam pequenos quistos.
Depois da puberdade, à medida que se vão sucedendo os períodos menstruais, os quistos portam-se como o resto do revestimento uterino, o endométrio, e sangram.
Esticam-se, incham e aumentam de tamanho visto o sangue não poder sair. Ao fim de dez a quinze anos estão bastantes grandes para doer, embora a dor esteja relacionada com a gravidade da doença.
Em geral considera-se que é uma doença caracteristica das mulheres de carreira, porque declara-se no fim da década dos vintes e tem propensão a surgir mais entre as mulheres que não constituíram família.

Sintomas
  • Dores tipo cólica durante a menstruação, tornando-se fortes e parecidas com dores de parto no último dia.
  • Dismerorreia
  • Dor durante o acto sexual
  • Fertilidade baixa se tiver afectado as trompas de Falópio.

Devo ir ao médico
Se apresenta dores fortes nos seus períodos, se tiver  dor tipo pontada profunda quando tem relações sexuais e está a tentar engravidar já há algum tempo e não consegue, deve consultar o seu médico.

Que fará o médico?
Apenas se poderá ter a certeza de que existe endometriose se se vir directamente os quistos cheios de sangue. isso far-se-a com uma laparoscopia e uma anestesia geral.
Os quistos podem ir do tamanho da cabeça de um alfinete ao de uma noz, e variam em quantidade, de 2 a perto de 100.
Talvez existam apenas numa dada zona ou estejam espalhadas pelos órgãos pélvicos.
Uma vez confirmado o diagnóstico, o tratamento vai depender dos seus sintomas, do número e disseminação dos quistos. Se estiverem espalhados, não se podem tratar por meio da extracção imediata dos quistos.
É claro que o problema imediato é parar a sua menstruação. Isso talvez se resolva se tiver engravidado, e, em certos casos, cura a doença. Se não quer ter mais filhos, poderá tomar hormonas.
Uma das formas de tratamento é por meio de uma droga que actua sobre a glândula pituitária evitando a ovulação e a menstruação. Contudo, isso tem efeitos secundários desagradáveis como pele oleosa, acne, pilosidade e aumento de peso, que desaparecem quando deixa de fazer o medicamento.
Se houver poucos quistos, a maior parte dos sintomas e menstruais aliviam-se se os quistos forem extraídos cirurgicamente. Um ciurgião retira-os por curetagem, para desembaraçar as trompas e os ovários e aumentar a fertilidade.
Em geral, segue-se um tratamento com hormonas (pílula). Se a doença for extensa, ou se tiver sintomas muito desagradáveis, pode optar por uma cura radical sob a forma de histerectomia, embora, como é evidente, isso a impeça de ter mais filhos.

Que posso fazer?
Junte-se a um grupo de asstência mútua onde pode compartilhar a sua experiência com outras mulheres e discutir os últimos tratamentos, bem como os efeitos secundários das hormonas.

Fonte: Guia médico da mulher

domingo, 27 de março de 2011

Tomate, tratamento anti-envelhecimento

Nunca deixa de os ver no mercado, mas por vezes sem sabor doce, tão caracteristico desta fruta (sim, leu bem, é uma fruta).
No verão, não só melhora o seu sabor, como contém mais vitaminas e sais minerais do que nunca, antioxidantes que muito podem fazer pela sua pele e pelo o seu aspecto geral. Para não falar da sua protecção contra as enfermidades degenarativas, desde alguns tipos de cancro, até mesmo a doença de Alzheimer. Além disso, o tomate é um alimento barato e muito light. É quase impossível imaginar uma salada sem a sua presença: também é protagonista de uma infinidade de deliciosos pratos de massa. É certo que estão no seu melhor quando são os protagonistas, porque é aí que tem a garantia de estar a preparar um prato baixo em calorias, repleto de nutrientes, deliciosos e mesmo veraneio.
Nutrientes e benefícios
Ricos em sais minerais: fero, potásio, sódio e magnésio; em vitaminas, especialmente antioxidante, A e C, além de vitaminas do grupo B e ácido fólico. As mais recentes investigações apresentam-no como um alimento essencial na luta contra o cancro, graças a uma substância que o compõe, o licopeno - pigmento que lhe confere a cor vermelha - com capacidade de bloquear o início do processo cancerígeno. Mas os seus benefícios para a saúde não acabam por aqui; o tomate ajuda a dissolver a ureia e previne a formação de cristais de ácido úrico. Também reduz a inflamação do aparelho digestivo e a actividade bacteriana intestinal.
Cerca de 90% por cento da composição do tomate é água e tem apenas entre 16 e 19 calorias por cada 100 gramas. O seu valor energético depende da sua cor; quando mais vermelhos, mais açucares (carbo-hidratos) e  portanto, mais calorias. Além disso, os tomates bem vermelhos contém menos ácidos e mais solanina, uma substância que os torna indigestos.

Licopeno: Fonte de saúde
O tomate é rico num pigmento muito valioso para o organismo; o licopeno. Este nutriente ajuda a combater os efeitos dos radicais livres. O tomate ajuda, assim a prevenir a osteoporose e o cancro. para os homens, é útil na protecção contra o cancro da próstata. Também já ficou cientificamente demonstrado, que o tomate processado, potencia as propriedades do licopeno.

Fonte: Cozinha saudável

terça-feira, 22 de março de 2011

Vantagens da quimioterapia oral

 A quimioterapia oral é uma forma de tratamento que recorre a comprimidos ou cápsulas para controlar a sua doença.
Este tipo de quimioterapia também pode ser usado em combinação com a quimioterapia endovenosa ou com os tratamentos  de radioterapia.

Vantagens da Quimioterapia Oral
  • Este tipo de tratamento não exige a sua presença no hospital.
  • É um tratamento menos doloroso.
  • Não limita a sua actividade física, por exemplo andar  e andar.
  • Não limita a sua actividade profissional e social.
  • Este tratamento dá-lhe maior autonomia, uma vez que é o responsável pela toma da medicação
  • Com este tratamento tem mais tempo disponível para passar em casa e com a família.
Regime terapêutico
O seu médico prescrever-lhe-á o regime terapêutico mais indicado para a sua doença.
Se está a receber quimioterapia oral em combinação com outro fármaco não oral, terá de ir ao hospital para receber esta parte do tratamento. A frequência com que terá de se deslocar ao hospital dependerá do tratamento a administrar. Contudo, é sempre necessário efectuar análises clínicas antes do tratamento.

Efeitos secundários
Tal como em todos os tipos de quimioterapia, existem alguns efeitos secundários associados à quimioterapia oral. No entanto, as pessoas reagem de modos diferentes aos tratamentos, pelo que o tipo e gravidade dos efeitos secundários podem variar de pessoa para pessoa.
Antes de iniciar o tratamento a enfermeira irá explicar-lhe os possíveis efeitos secundários.

A enfermeira irá dar-lhe sugestões para lidar com alguns dos efeitos secundários mais comuns no tratamento com a quimioterapia oral. A enfermeira irá aconselhá-lo também qual o regime alimentar mais adequado ao seu tipo de tratamento.

É importante  que respeite o horário da toma dos medicamentos  eas indicações dadas pelo médico e pela enfermeira.

Apesar de poder topmar o seu tratamento de quimioterapia oral em casa, continuará a ter de consultar regularmente o seu médico para que este possa acompanhar a sua evolução.
Lembre-se que a quimioterapia pode provocar efeitos secundários graves e você deve contactar o seu médico ou enfermeiro assistente sempre que tenha questões ou com efeitos secundários que esteja a sentir. Isso ajudará a assegurar que a situação não evolui para um problema grave. Se necessário, o seu médico efectuará ajustes na sua dose de quimioterapia oral.

Fonte: Roche

quinta-feira, 17 de março de 2011

Histerossalpingografia

Trata-se de uma radiografia do útero e trompas de Falópio, incluindo os ovários. Na sua forma mais simples o contorno dos orgãos consegue obter-se bombeando díoxido de carbono para a cavidade abdominal, o que se disigna por insuflação tubárica. Isso fornece uma imagem bastante clara para determinar se o útero está livre e se as trompas de Falópio não estão bloqueadas.

Se se precisar de uma imagem mais rigorosa e promenorizada, como, por exemplo, saber exactamente onde é o bloqueio, pode injectar-se no útero e trompas um corante radioactivo opaco de modo que se vejam bem através dos raios X.
Se não houver bloqueios, o ar ou corante entra na cavidade e é absorvido pelo corpo, sem perigo.
Uma obstrução do útero ou das trompas vê-se muito bem porque o corante fica ali detido.

Porque se faz?
Faz-se mais vulgarmente em conjunto com vários testes para determinar se há esterilização, e também depois de uma gravidez ectópica para se perceber bem o local e a extensão do tecido cicatricial, deformação e bloqueio total das trompas de Fálopio.
As radiografias mostram se há algumas distrorção da cavidade úterina, como a que decorre de fibromioma ou quisto.
Também mostra se as trompas estão obstruídas  e onde. O que não consegue descobrir com rigor é o estado dos orgãos, e se restar alguma dúvida, o médico recorrerá talvez a uma laparoscopia para ver os órgãos directamente. Esta substitui em grande parte a histerssalpingografia.

Como se faz?
Faz-se com anestesia local ou sem ela. Alguns centros executam-nas em pacientes ambulatórias, o que é bastante seguro; não precisa ser doloroso e permite -lhe ir para casa no mesmo dia. Leva cerca de dez minutos. Se chegar à conclusão de que precisa fazer uma histerossalpingografia, pergunte ao seu médico o que pode conseguir  do seu hospital local e depois escolha.
Primeiro o colo do útero é exposto, inserindo um espéculo na vagina. Introduz-se um tubo metálico e injecta-se um corante solúvel em água no útero (um fluido radiopaco). Então tiram-se radiografias - enquanto se injecta o corante - que surgem num monitor de televisão. O médico verá se o líquido enche a cavidade uterina e corre para as trompas de Falópio. Se  não houver obstrução o corante espalha-se no interior do abdomem.

Quais os riscos?
Não é um procedimento difícil nem doloroso, embora o corante entre no útero e possa provocar algumas cólicas.

Algumas considerações a ter:
  • A histerossalpingiografia deve ser realizado antes da ovulação. Na maior parte das vezes coincide com períodos entre 5 a 12 dias depois do início da menstruação.
  • No dia anterior à realização do exame, deve fazer um microclister à noite.
  • No dia do exame não deve estar em jejum, tome o pequeno almoço e depois ingira o analgésico que lhe prescrito 30 a 60 minutos antes do exame.
  • Se tiver alergias ao iodo refira ao seu médico.
  • Após o exame pode voltar às suas actividades diárias.
  • Pode ter um corrimento claro ou ligeiramente hématico 24h após o exame.
  • Não deve ter relações até 48 horas após o exame.
  • Deve contactar o médico se após o procedimento tiver febre, dor abdominal severa ou hemorragia

segunda-feira, 14 de março de 2011

Tratamento da flebite

Flebite significa inflamação de uma veia. Como termo clínico, a flebite significa inflamação de uma veia superficial, ou seja, uma veia que se encontra perto da superfície da pele.
Não se aplica a uma trombose de uma veia profunda, em que a inflamação se dá em veias maiores, mais profundas.
A flebite é, por isso, mais rigorosamente denominada tromboflebite superficial (trombo significa coágulo de sangue).
A tromboflebite é ligeiramente mais comum nas mulheres devido à sua associação ao parto, pílula anticoncepcional e veias varicosas.
Quase sempre ocorre devido a uma infecção local, como um furúnculo ou um abcesso, ou devido uma pancada.
Surge na pele como um coágulo de aparência mole, sólido, vermelho. Isto é devido ao coágulo de sangue aderido fortemente às paredes da veia. Não existe, por isso, perigo de parte do sangue se soltar e formar um êmbolo, causando uma trombose em qualquer outro local. Isto acontece com as tromboses profundas, quando o risco de uma embolia pulmonar está presente.
A tromboflebite superficial é, por isso, incómada, mas não perigosa. 
Sintomas
  • Goágulo mole, vermelho, firme sob a pele
  • Comichão sobre o inchaço duro
  • Se houver infecção, pode ter febre


Devo ir ao médico?
Se tiver um coágulo ou qualquer outro problema de pele, e a zona ficar dorida, dura e inchada, vá ao médico.
O que fará o médico?
Se houver infecção, o seu médico fará primeiro um tratamento à base de antibioticos e de pomadas locais anti-sépticas e antibióticas. Quando a infecção estiver sob controlo, o coágulo de sangue dissolver-se-á, diminuirá e eventualmente desaparecerá sem deixar vestígios.
Se o coágulo de sangue for grande, pode deixar uma pequena cicatiz, idêntica a um nódulo, ao ser palpada. No entanto, mesmo que o coágulo fosse sufucientemente grande para bloquear completamente a veia, não haverá problemas. A rede de veias nas camadas superiores da pele é tão vasta que se abrem novos canais para levar a cabo a tarefa da veia obstruída.


O que posso fazer?
Poderá ser mais confortável comprimir a área afectada com uma compressa elástica. Isto levará a que o sangue corra rapidamente, evitando assim que se formem mais coágulos.
O tratamento médico levará à cura em duas semanas.
Se sentir comichão, use uma pomada apropriada, para aliviar a irritação.

Fonte: Guia médico da mulher

sexta-feira, 4 de março de 2011

Como fazer o auto - exame da mama


Faça o auto-exame da mama de preferência logo após a menstruação e se notar algumas alterações procure o seu médico. Aprenda a observar e palpar a mama.
O exame deverá ser feito com método, para que leve pouco tempo e tire o máximo benefício. Deve ser feito em 3 fases:

 1ª fase- Observação em frente do espelho
Observe as duas mamas, primeiro com os braços caídos, depois com as mãos na cintura fazendo força nas mãos na cintura fazendo força nas mãos e, por fim, com elas atrás da cabeça.

Qualquer alteração na superfície (depressão ou saliência) ou rugosidade é importante.
Divida o seio em faixas verticais e horizontais.
Com os dedos estendidos e em pequenos movimentos circulares, faça a palpação de cada faixa, de cima para baixo.

Palpe também a axila. Não se esqueça, toda  a mama deve ser palpado, mas dê particular atenção ao quadrante supero- externo. Repita as mesmas manobras para a mama direita.

2ª Fase- Palpação de pé
De preferência durante o duche com o corpo molhado e as mãos ensaboadas, levante o braço esquerdo e ponha a mão atrás da cabeça. Com a mão direita palpe cuidadosamente a mama esquerda.

3ª fase - Palpação deitada
De preferência com uma almofada debaixo da mama que vai palpar, cumpra o mesmo método utilizado para a palpação de pé.

Pressione o mamilo suavemente e veja se drena algum líquido. Se o mamilo está umbilicado (metido para dentro como o umbigo) e não era assim, procure o seu médico.

Fonte: IPO Coimbra
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
X

Tratar Saúde

Receba no seu e-mail dicas de saúde

Subscreva a newsletter gratuita.





Pesquisa personalizada